quinta-feira, 11 de março de 2010

Donzela

Perco-me no teu seio
Em sonhos, divagando
Não sou a jovem, bela donzela
Mas como ela vou esperando...

Que tempo será o meu
Se o dela foram cem anos?
Universo tão plebeu
Que nem a nós mesmos amamos...
Falam da lei da atracção
E eu aposto
Foi afectada pela poluição!

Estou como o velho tradicional
Trago estes versos no peito
E como ele já não tenho moral!

E tu onde estás
Ruidoso, de fel e furor?
Preciso de te encontrar,
Preciso do teu amor...

Joana

2 comentários:

  1. Mais um mt bonito..grande inspiração =)

    ResponderEliminar
  2. Este começou nos contos tradicionais de Perrault. =)

    ResponderEliminar